Tragédia de Brumadinho: o maior acidente de trabalho do País e os limites da indenização

Atualizado: 27 de mar. de 2019


Tragédia de Brumadinho: o maior acidente de trabalho do País e os limites da indenização


A cada hora que passa a tragédia provocada pelo rompimento de barragens da Vale em Brumadinho (MG) são registradas novas mortes e, assim, o acontecimento transforma-se no maior acidente de trabalho da história do Brasil. Isso porque, até então, o maior acidente registrado no Brasil tinha sido o desabamento de um galpão em Belo Horizonte, capital mineira, com o registro de 69 mortos em 1971. E outra grande tragédia no ambiente de trabalho aconteceu em Paulínia, cidade do interior de São Paulo, na Shell-Basf com a morte de 65 empregados vítimas de agrotóxicos usados pela empresa e que contaminaram o solo, sendo que, nesse mesmo caso mais de mil funcionários também foram afetados.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) aponta que 321 mil pessoas morrem por ano no mundo em acidentes de trabalho. O Brasil é o 4.º colocado no ranking mundial e o primeiro no continente americano, atrás da China, Índia e Indonésia. O acidente de trabalho é aquele que ocorre no exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

Os números sobre acidente do trabalho no Brasil são preocupantes. De acordo com dados Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho do Ministério Público do Trabalho (MPT), o País registrou cerca de 4,26 milhões de acidentes de trabalho de 2012 até o dia 3 de agosto de 2018. Ou seja, 1 acidente a cada 48 segundos ocorre nos mais diversos setores e ambientes do trabalho brasileiros. Desse total, 15.840 resultaram em mortes, ou seja, uma morte em acidente estimada a cada 3h 38m 43s.

E o desastre de Brumadinho já soma novas vítimas fatais para essa triste estatística. Importante ressaltar que em caso de acidente de trabalho fatal, os herdeiros das vítimas possuem direito a indenizações trabalhistas, que, via de regra, tem os valores arbitrados de acordo com a gravidade, culpabilidade e o poder econômico da empresa.


Contudo, desde 11 de novembro de 2017, com a entrada em vigor da reforma trabalhista, a nova lei passou a limitar as indenizações por danos morais a 50 (cinquenta) vezes o salário da vítima. Isto é, se o trabalhador recebia R$ 1 mil a título de salário, a indenização por danos morais, em tese, não poderá ultrapassar R$ 50 mil.

Esse tipo de indenização tem como objetivo, além de reparar minimamente a dor dos familiares, disciplinar a empresa, ou seja, penalizar o empregador para que tais fatos não se repitam.

A Vale, além de estar avaliada em dezenas de bilhões de reais, é reincidente, o que, se não fosse a reforma trabalhista, certamente levaria as indenizações a um patamar superior este limite imposto pela lei.

O cenário acima ainda pode mudar, pois a Anamatra – Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho – já ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) requerendo a inconstitucionalidade do respectivo teto. A ação, de relatoria do ministro Gilmar Mendes, ainda não possui prazo para ser julgada.

Vale ressaltar, que o teto em questão se aplica apenas aos processos trabalhistas, que certamente serão movidos pelos familiares dos trabalhadores. Eventuais indenizações devidas aos moradores atingidos não se limitam ao respectivo teto. A Vale certamente responderá uma série de processos trabalhistas, cíveis e criminais pelo desastre ocorrido em Brumadinho.

A posição do Judiciário brasileiro deverá ser exemplar neste caso, em todas as esferas. Não podemos mais assistir, inertes, tragédias que devastam nosso meio ambiente e resultam em mortes de centenas de trabalhadores. E a indenização das vítimas e de suas famílias também devem ser um novo norte nos casos de acidentes do trabalho no País.


A Shell, como todos os brasileiros, encontra-se consternada com o acidente acontecido em Brumadinho, porém gostaria de reforçar que o caso nas antigas instalações de Paulínia/SP, citado no artigo do advogado Daniel Moreno publicado no Blog do Fausto Macedo, não encontra paralelo com as fatalidades que aconteceram no rompimento da barragem de Brumadinho/MG.

O acordo judicial firmado em abril de 2013, no âmbito da Ação Civil Pública Trabalhista, não reconheceu qualquer negligência por parte da Shell e da Basf com relação à saúde dos empregados da antiga fábrica de produtos químicos na cidade de Paulínia/SP. A cláusula 17.ª do referido acordo inclusive prevê expressamente que: “a celebração do acordo não importa o reconhecimento pelas reclamadas de responsabilidade pelos danos, de qualquer espécie, invocados pelos reclamantes”.

É importante lembrar que, apesar de estudos técnicos mostrarem que a contaminação ambiental não impactou a saúde de ex-empregados e seus dependentes, a Shell já vinha prestando assistência médica integral para os seus antigos empregados e dependentes mais de um ano antes de o acordo ser homologado nos termos propostos pelo TST.

A Shell, portanto, ressalta que não há correlação entre o episódio de Paulínia e o incidente ocorrido em Brumadinho.

#temadeRedação2019 #RedaçãoCuritiba #ProfessoraFernandaTenfen #RedaçãoMandandoBem #Redação #Enem #UFPR #aulasparticularesCuritiba


- Seu texto deve ser escrito na modalidade formal da língua portuguesa.

- Deve ter uma estrutura dissertativa-argumentativa.

- Não deve estar redigido sob a forma de poema (versos) ou narração.

- A redação pode ser digitada  ou manuscrita e ter, no mínimo, 20 linhas o no máximo 30, ou 800 caracteres e, no máximo, 3.000 caracteres.

- De preferência, dê um título à sua redação.

- A redação também pode ser enviada para o e-mail: mandandobem.curitiba@gmail.com...

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

curso de redação online, aula de redação, aprender a fazer redação, curso de redação, estudar redação onlinecurso de redação curitiba, redação ufpr, curso de redação para enem vestibular concursos e empresarial curitiba pr, curso de portugues em curitiba, aula particular de redação preço, curso de redação em curitiba, curso redacao concurso, curso de produção de texto em curitiba, curso de gramática e redação

redação curitiba; curso de redação curitiba; aulas de redação curitiba; Redação; oficina de redação curitiba; aulas particulares de redação curitiba; curso redação curitiba; professor de redação curitiba; aula particular de redação curitiba; curso de redação ufpr
curso de redação vestibular curitiba; curso de redação para enem; redação vestibular; redação para concursos; concurso da polícia curitiba #redaçãocuritiba ; #redaçãovestibular #redaçãoENEM #redaçãoparaconcursos; Fernanda Tenfen; mandandobem redação;

recurso de redação UFPR PMPR PRF  PCPR Curitiba.

concursos em Curitiba, redação para concurso em curitiba, concurseiros, concursos 2019, cursinho para concursos curitiba, concursos, redação para quem vai prestar concursos, redação para concursos,